Adenoamigdalectomia em crianças

5f207ee8-7688-4916-a173-966d323b46a0

Oi minha gente querida,

No vídeo de hoje eu compartilhei um pouco com vocês sobre a adenoamigdalectomia (retirada da adenoide e amígdalas) que a Rafaella (4 anos) fez.

Também falei um pouco no nosso instagram (@eramosdois) sobre os sintomas que ela tinha para tomarmos a decisão da cirurgia. Resumidamente, a Rafaella tinha todas as indicações para a cirurgia: era uma criança que roncava muito, tinha apneia de sono (respiração interrompida enquanto dorme) e amigdalite de repetição. Além disso, adenoide com obstrução de 70%.

A nossa otorrinolaringologista, que atende em Brasília, é a Dra. Helen Nakamura, da Clínica Otorrino DF (@clinicaotorrinodf). A clínica aceita vários planos de saúde.

EXAMES PRÉ-OPERATÓRIOS

Os exames pré-operatórios para a adenoamigdalectomia foram:

  • Videonasofibroscopia: Realizado no consultório, no mesmo dia da consulta, logo após suspeita de necessidade da cirurgia. Foi colocado um spray anestésico no nariz dela. Após uns 10 minutos, foi introduzida um fio com uma câmera acoplada dentro do nariz, para visualizar toda a estrutura nasal. Nele que é constatada o tamanho da adenoide. Mostrei no vídeo abaixo. Leve incômodo.
  • Audiometria Tonal e Vocal: entramos em uma cabine isolada acusticamente. Por uma janela, víamos a fonoaudióloga. Ela colocou um fone de ouvido na Rafaella onde ela recebia estímulos e ia interagindo com a médica, sinalizando o que era pedido. É um exame simples, mais parece uma brincadeira, rs. Exame indolor.
  • Coagulograma, TAP e PTT: É um exame de sangue normal. Serve para saber o tempo de coagulação do sangue. Essa informação é importante para saber se a pessoa tem tendência a hemorragias. Assim, o médico saberá como conter sangramentos, como conduzir a cirurgia e o pós-operatório.
  • Hemograma completo: para saber se a pessoa tem anemia, contagem de plaquetas, se há alguma infecção em curso, etc.
  • Raio-X do tórax: ver as condições do pulmão, afinal, é uma cirurgia que envolve o sistema respiratório. Exame indolor.
  • Ecocardiograma: avaliar as características e estruturas do coração. Muito simples também, mas a criança pode assustar porque tem que colar vários fios no peito, braços e pernas. Exame indolor.

Para fazer a cirurgia, a criança precisa:

  • Estar em plena saúde. Não pode estar gripada, com febre, com rinite ou sinusite, enfim, deve estar saudável;
  • Estar em jejum de no mínimo 8h;
  • Não usar nenhum remédio na semana da cirurgia sem antes ter autorização da médica;
  • Fazer uma consulta pré-anestésica (a orientação é fazer essa consulta na semana da cirurgia, onde o médico anestesista irá explicar tudo sobre a anestesia geral, sedações e tudo mais. No nosso caso, essa “consulta” foi feita já no Centro Cirúrgico, na hora da cirurgia, pois a cirurgia foi confirmada em cima da hora e não tivemos tempo hábil para marcar essa consulta).

A CIRURGIA

Eu, como mãe acompanhante, pude entrar com a Rafaella no Centro Cirúrgico até o momento em que ela foi sedada. Ela já recebeu um remédio na sala pré-operatória para começar a ficar sonolenta e mais quietinha (não fez efeito nenhum, rs. Ela continuou normal). Fomos andando ao Centro Cirúrgico, ela deitou na maca, o médico anestesista deu uma máscara com um balão na ponta pra ela “encher” (aspirar), ela ficou um pouco agitada (o médico me explicou antes tudo que aconteceria, inclusive a agitação nesse momento da sedação), mas ela “apagou” em poucos segundos. Eu orei com ela, dei um beijo e saí da sala.

Após 1h30, me chamaram na sala de recuperação (a cirurgia durou uns 40 minutos, mas só me chamaram quando a anestesia começou a passar e ela foi acordando). Quando cheguei ela já estava acordada, dando um escândalo surreal (efeito da anestesia geral, falei mais detalhadamente no vídeo abaixo). Pra mim essa foi a PIOR hora, assistam o vídeo para saber.

PÓS-OPERATÓRIO

Foi mais tranquilo do que pensei. A médica me orientou que era normal vômito, sangrar um pouco e perda de peso. Ela me disse que o mais preocupante era desidratação, que não poderia ocorrer de forma alguma.

Assim que foi liberada para se alimentar, alimentou-se. Tomou muita água e comeu a gelatina que serviram. A cirurgia foi às 7h30. Às 20h30, tivemos alta e fomos pra casa.

A dieta é líquida gelada por 3 dias, depois pastosa gelada ou em temperatura ambiente e a partir de 7 dias “normal” (evitando alimentos duros, como biscoitos por exemplo, por 14 dias). Ela não teve nenhum sangramento, não vomitou, não teve absolutamente nada. Perdeu menos de 1kg de peso.

Ela reclamou de dor umas 4 vezes só, mas era algo bem pontual, já perto da hora de tomar remédio. Não foi algo que afetou a vida dela, rs. Os remédios do pós-operatório foram dois tipos de analgésicos (para intercalarmos a cada 3h), corticóide e antibiótico. Além disso, era preciso fazer lavagem com soro fisiológico no nariz, três vezes ao dia.

Já no primeiro dia, ela dormiu sem roncar, sem apneia, respirando apenas pelo nariz. Foi a glória essa cirurgia! Não tem preço ver minha filha voltando a ter qualidade de vida!

Acredito que eu tenha sanado as principais dúvidas sobre uma adenoamigdalectomia em crianças. Assista o vídeo abaixo, pois nele eu posso ter sanado alguma outra dúvida sua que restou!

Compartilha aqui nos comentários a sua experiência, para que outras pessoas, que ainda passarão por este momento, possa ter suas dúvidas sanadas! Participe!

TUDO SOBRE MINHA CIRURGIA DE SEPTO NASAL

  

Olá pessoal,

Inaugurando um post, quem vos escreve é o Rafa! Venho compartilhar minha experiência da cirurgia de correção de septo nasal que realizei em dezembro de 2013. Como na época pesquisei na internet sobre este assunto e achei poucas coisas de pessoas que haviam feito (porque uma coisa é o médico falar, a outra é o paciente contar realmente como foi a experiência, rsrs), achei interessante fazer este post para tentar auxiliar.

COMO DESCOBRI O DESVIO DE SEPTO

Minha cirurgia foi uma recomendação do otorrino que eu consultava, após uma ida em seu consultório quando estava com a garganta inflamada (a qual normalmente inflamava pelo menos umas quatro vezes por ano, sendo duas a cada semestre), e me queixava de congestionamentos nasais e leves dores na face, abaixo do olhos.

EXAMES PRÉ-OPERATÓRIOS

O otorrino, após realizar exames clínicos como da cavidade nasal e endoscopia nasal, me pediu para fazer uma tomografia dos seios paranasais, exames com cardiologista e anestesista, hemograma completo . Não precisei fazer exame de polisonografia (aquele que você dorme na clínica, cheio de eletrodos colados na cabeça, para avaliação do sono) porque fiz em 2012 quando eu estava dormindo muito mal, roncando muito e acordando com a boca seca pela manhã.

Com os resultados dos exames, diagnosticou-se que meu septo tinha um leve desvio, entretanto, as conchas nasais internas eram acentuadas, o que me provocava constante acumulação de secreções (isso, meleca! Eca! Eu sei que é nojento… mas enfim… Hehe).

Cirurgia confirmada e agendada, o otorrino me passou uma dieta pré-cirúrgica, pós-cirúrgica, possíveis efeitos pós-cirurgia, e algumas recomendações, tudo isto por meio de um portfólio, bem didático e de fácil compreensão.

DIETA PRÉ-OPERATÓRIA

Com relação à dieta pré-operatória, as únicas determinações foram que uma semana antes da cirurgia eu não poderia tomar nenhum remédio sem a orientação prévia do otorrino, e que 12 (doze) horas antes da cirurgia, eu deveria estar em jejum total, inclusive de água. Obs: também há uma determinação de que se você bebe ou fuma, não pode fazer uso dos mesmos a partir de 48h antes da cirurgia. Como não é o meu caso, tudo certo.

QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA E COMO ELA É REALIZADA

Pois bem, fiz a dieta pré-operatória e enfim chegou o grande dia. Eu e Rose fomos para o hospital bem cedo, pois teoricamente a cirurgia estava marcada para às 7h da matina. Chegando no hospital, fiz a pré-internação, onde eles te levam para uma sala que tem um espécie de trocador, e você deve então vestir aquela camisola (rídicula…rs), só ela, e nada mais (quando você põe a camisola, deve tirar tudo mesmo, aliança, anéis, óculos… Até tentei ficar com minha aliança de casamento, mas a enfermeira, uma senhora muito simpática e engraçada me disse: “Aqui só se entra solteiro e nu!” Rsrsrsrs). Após isto, me levaram para o centro cirúrgico, e lá fiquei deitado na maca aguardando a equipe médica preparar a sala de cirurgia.

Com a sala de cirurgia pronta, me conduziram ao local e lá o anestesista já me aguardava. Ele se apresentou e me informou quem eram seus assistentes, e assim começaram a me preparar para a cirurgia e me explicar tudo que iriam fazer. Colocaram um cateter em minha mão esquerda, alguns tipos de eletrodos no peito, e uma máscara de oxigênio. Assim que o otorrino chegou na sala, ele me informou que estavam começando a aplicar a anestesia (geral) e que eu iria sentir uma leve “moleza”. Bem, nesta hora eu apenas disse: “Dr, realmente estou ficando meio sonolent…” (APAGUEI!). Isto mesmo, não vi mais nada, nem ouvi nada e só acordei já depois da cirurgia, que levou aproximadamente 1h30, já em outro lugar. Lá estava eu numa sala pós-cirúrgica (que eles chama de “Sala de Recuperação”) aguardando o efeito da anestesia passar por completo para me levarem até o quarto da enfermaria (eu fiz a cirurgia pelo plano, não paguei nada a mais. No meu plano de saúde o quarto é enfermaria, consulte seu plano).

NO QUARTO

I

Na enfermaria, vinha quase toda hora alguma enfermeira para aplicar analgésicos e antibióticos no soro que estava tomando na veia, e ainda uma nutricionista do hospital para me passar a minha dieta que era: LIVRE, COMA DE TUDO! Isso mesmo, nada de restrições, apenas claro, não coma uma feijoada, nem vá numa churrascaria, mas podia comer livremente. Eles me serviram salada à vontade, arroz, feijão, legumes, carne vermelha, frango, sorvete, doce de leite, salada de frutas e ao contrário do que falam sobre comida de hospital, estava tudo uma delícia! Isto me ajudou muito na recuperação, pois querendo ou não o corpo fica meio fraco depois da cirurgia, certamente por causa da grande perda de sangue.

CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS

I

Pernoitei no hospital e logo no outro dia tive alta após o almoço, já estava me sentindo bem mais disposto. Um detalhe: Após a cirurgia o médico coloca um tampão de silicone interno e cola uma gaze no “bigode” para reter o sangramento. Os pontos são absorvíveis, não precisa retirar. Obs: um dos possíveis efeitos pós-cirurgia é ocorrer um sangramento bem forte, mas nada preocupante, basta limpar com soro ao redor do nariz (o sangue dentro ajuda na cicatrização), trocar a gaze e manter a cabeça parada, levemente inclinada, mas não totalmente na horizontal. Logo passa… Ufa. Isto aconteceu comigo, saiu muito sangue no primeiro dia, mas friso: é natural.

Tendo alta e chegando em casa, a recomendação é: REPOUSO TOTAL! Nossa, isso foi difícil para mim, pois sou meio workholic, e também adoro praticar exercícios, correr e etc, mas não tem jeito, o certo é seguir à risca e ficar deitado o maior tempo possível, e quando não aguentar mais, ficar meio que deitado no sofá de sua casa assistindo tv ou lendo um livro, enfim…etc…rs, nada que te exija movimentos bruscos ou força física.  A alimentação continua com a dieta do “pode de tudo”.

Depois de 5 (cinco) dias da cirurgia, já estava marcado o primeiro retorno ao otorrino, e lá ele removeu aqueles tampões internos do meu nariz, o que primeiramente dá um alívio maravilhoso, e é a primeira vez depois da cirurgia que você volta a conseguir respirar pelo nariz, pois ate então somente pela boca. Posterior a esta remoção dos tampões (que não doeu, senti apenas um incômodo), começam as lavagens com uma espécie de soro caseiro (água morna, sal e bicarbonato de sódio) que devem ser feitas 6 (seis) vezes ao dia durante 15 dias.

Essa lavagem é feita por meio de seringa (sem a agulha, claro!). No início é terrível, pois o soro tem que passar pela garganta depois, então arde um pouco, e como dito, no início é chato, mas com o tempo, a sensação de alívio é maravilhosa, pois ajuda descongestionar o resto de secreções de sangue dentro do nariz. É meio cansativo, mas isto é crucial para limpar o sangue e as demais secreções, e assim descongestionar. Portanto, depois da cirurgia de septo, pode esperar e confiar, que praticamente só depois de quase 1 (um) mês você começará a sentir mesmo que valeu a pena.

TEMPO DE RECUPERAÇÃO

O atestado é de 10 (dez) dias de repouso em casa e 20 (vinte) dias para atividades físicas. Hoje durmo melhor, não acordo mais com a boca seca, os roncos diminuíram significativamente e a tendência é de que acabe, mas principalmente a garganta inflamada e nariz entupido deverão diminuir.

Um detalhe importante e meio nojento que deve ser esclarecido. Depois de passado um mês da cirurgia, as vezes é normal você começar a sentir um cheiro meio estranho no nariz, de fato um cheiro ruim (as pessoas sentem também… a Rose então, reclamava que só deste cheiro forte). Basta você voltar a fazer as lavagens com soro (só que agora soro normal), que provavelmente você terá uma grande surpresa como eu tive e vários outros amigos que fizeram essa cirurgia de septo… Rs… Meu amigo, prepare-se para ver algo terrível sair do seu nariz… isto mesmo, quando você assoar o nariz, certamente expelirá uma secreção relativamente maior do que qualquer outra já expelida na sua vida, meio dura, fedida e com uns 3 cm… Eca, neh?! Não vomite aqui, mas é bom te alertar sobre isto, pois é NORMAL!

Isto também é um dos efeitos pós-cirúrgicos que eram previstos, apenas não sei te dizer até quando isto vai durar. Só sei que hoje já se passou um mês e meio da cirurgia e  o cheiro forte volta de tempos em tempos…aí é sinal que vem um alien por aí, mas toda vez que sai a sensação de alívio é ainda maior, e outra sensação é que somente hoje sei realmente respirar… Rs.

Então é isso pessoal, um abraço, e até o próximo post. Se você fez também essa cirurgia e gostaria de compartilhar algo sobre isto, deixe seu comentário logo abaixo.